Como trabalhar com crianças de várias idades juntas na mesma classe



O  desafio: fui desafiada a escrever um artigo sobre esse tema que é tão complexo e tão comum em nossas igrejas atuais. uma única classe: bebês, crianças não alfabetizadas, pré-adolescentes e as vezes até adolescentes juntos, e um professor diante deles com o enorme desafio de ensiná-los.

Primeiro é necessário dizer que o ideal sempre será dividir as crianças por faixas etárias, isso porque em cada fase da infância a criança tem necessidades diferentes e aprende de forma diferente. Mas infelizmente, não é por não querer separar as crianças que muitas igrejas não fazem. Falta de espaço físico, recursos, falta de professores e até por falta de alunos suficientes (em alguns casos) as crianças são colocadas todas juntas na mesma classe.

Os que mais saem perdendo nessa mescla são os pré-escolares. As crianças pequenas não assimilam tão bem quanto os maiores, elas ficam meio ‘perdidas’ no assunto, dificilmente conseguem participar expressando suas dúvidas e opiniões, além de ficarem um pouco retraídas no meio dos maiores. Normalmente elas preferem ambientes mais tranquilos e silenciosos do que os maiores.


Os maiores: Eles normalmente dominam a classe em situações assim, falam mais alto, participam mais, ficando mais a  vontade que os outros.

                                                                                                                                                                                        Os bebês: Nesse tipo de caso eles são levados para  classe apenas para dar um descanso as mães que já não conseguem segura-las lá dentro. É uma situação complexa, pois elas acabam por atrapalhar mais ainda a aula, além de correrem o risco de se machucarem entre os maiores, e o professor que já está com dificuldade para ensinar  a turma, terá uma preocupação a mais com um bebê solto na classe.


Os adolescentes: Bem nesse caso, me desculpe a franqueza, eles acabam vindo normalmente pra brincar na classe. Tentando ‘ fugir’  do culto e acabam desvirtuando a atenção das crianças com brincadeiras fora de hora. Isso porque o culto infantil normalmente não é planejado para essa faixa etária, além de que é bastante difícil montar um projeto de aula que venha satisfazer crianças e adolescentes juntos.


O que fazer se não é possível separar a turma: Bem, primeiro, creio que o Espírito Santo de Deus o nosso professor e auxiliador, está com você e te dá a capacidade para cada desafio que você enfrenta. Ao planejar a aula, tenha em mente as diferentes necessidades  deles em cada situação:


Músicas: as músicas  devem ser do gosto de todos evite músicas com letras escritas, ou muito compridas por causa dos menores. Também não podem ser demasiadamente infantis pois os maiores não gostam, nesse aspecto você deve propor canções que agrade a ambos.


Atividades: pode ser algo que todos façam juntos ou pode ser divididos grupos dentro da classe com atividades diferentes. O professor deve passar ente os grupos para auxiliar um a um.

 

A história: a linguagem tem que ser simples e o tempo da história curto. Nesse momento você deve pensar um pouco mais nos  menores que do que nos maiores. pois eles entenderão tudo que os pequenos compreenderem.

 

A organização da classe: certifique-se de que todos estejam bem acomodados. Os menores não devem ficar atrás pois não conseguirão ver direito. Sentar os alunos em forma de U ou circulo é sempre uma boa opção. Dê preferência para os menores na hora do lanche, da ida ao banheiro etc.

 

E os Adolescentes? Se possível, evite ao máximo tê-los em sua classe, a aula não é planejada para eles então, devem estar com o grupo de adolescentes e não com as crianças. Caso não seja possível evitar a presença de um ou outro dentro da classe, coloque-o para te ajudar diga-lhe que ele será seu auxiliar e deve te ajudar na distribuição de tarefa, manter a ordem na classe, etc. Isso também serve para aqueles alunos maiores que que já ‘não querem mais ser crianças’ e se negam a participar das atividades em classe, coloque-os como monitores/ajudantes eles se sentirão importantes e você pode descobrir aí um grande auxiliar.


Uma boa opção é usar os maiores para ajudar a contar a história para os pequenos, como uma dramatização por exemplo ou para segurar os cartazes etc. Todos vão gostar dessa integração.

Mas a nossa dica é:  se possível separar pelo menos em duas turmas: os que estão aprendendo a ler, e os que já estão alfabetizados, ou seja uma até sete ou oito anos, e outra de oito ou nove anos pra cima.


Essa separação já vai fazer uma enorme diferença, para o professor e para os alunos.


No mais conte com a ajuda do Espírito Santo que sabe suas necessidades e te ajudará dando a sabedoria necessária para cada situação.


Tia Priscila


C O M P A R T I L H E


Links do Site