Quantas pessoas estão ao nosso redor, hoje, perdidas,

a procura de alguém que as encontre, que demonstre um pouco de carinho,

de afeto, de amor.

 

Rafael era um garoto triste.
MUITO TRISTE..
Andava pelas ruas da cidade mostrando as
meias vermelhas

para todas as pessoas...
Eram ridículas -
meias vermelhas -  e chamavam a atenção.

Procurava estudar muito.

Na hora do recreio ficava afastado dos colegas,
como se estivesse procurando alguma coisa.
Todos os outros meninos zombavam e riam dele,

por causa das suas esquisitas  
meias vermelhas.
Um dia os colegas o cercaram  e lhe perguntaram
porque ele só usava, há mais de um ano,  
meias vermelhas.

Rafael falou, com simplicidade e muita emoção:

"No ano passado, no  dia do meu  aniversário,
minha mãe me levou ao circo.

Colocou em mim essas
meias vermelhas.
Eu reclamei. Comecei a chorar e  disse a ela
que todo mundo iria rir de mim, por causa das
meias vermelhas.
Mas ela  me disse que tinha um motivo muito forte

para me colocar as
meias vermelhas.

Eu não conseguia entender e ela, com paciência, 
me disse que se eu me perdesse, bastaria ela olhar para o chão

e quando visse um menino de
meias vermelhas,
e perdido, saberia que era o filho amado dela."

"Ora", Rafael,  disseram os garotos,
"mas você não está num circo.
Por que não tira essas ridículas  meias vermelhas e as joga fora?"

O menino das
meias vermelhas olhou para os próprios pés,
talvez para disfarçar o olhar cheio de lágrimas, e explicou:
"é que a minha mãe abandonou a nossa casa e foi embora.
Por isso eu continuo usando essas
meias vermelhas.
Quando ela passar por mim, em qualquer lugar em que eu esteja,
ela vai me encontrar, saberá que eu estou perdido,
procurando-a, e me levará com ela para sempre."

Conclusão

Quantas crianças e adolescentes estão  HOJE, solitários e tristes,
chorando por  alguém  que se foi.

Colocam "meias vermelhas," no coração
 na esperança que alguém as  identifique,  em meio à multidão,
e
as leve para a intimidade do próprio coração.

São crianças,  cujos pais as deixaram, um dia, em braços alheios,
enquanto eles mesmos se lançaram à procura de tesouros,
nem sempre reais.

           
Lesadas em sua afetividade,  vivem cada dia à espera de alguém,

que as entenda, que lhes dê
esperança, um aconchego.

Estão à procura de alguém que procure
MEIAS VERMELHAS.

Têm sede de carinho e fome de afeto.
Trazem o olhar triste de quem se encontra sozinho
e anseiam por ternura.

Ninguém no mundo pode medir a  dor de  um coração
quando abandonado por outro.

Talvez,
HOJE, exista alguém, bem pertinho de você
usando
meias vermelhas, esperando uma pessoa que ame a Deus e a encontre.

"O oposto do amor não é o ódio, mas sim a indiferença."
(Érico Veríssimo)

HOJE É TEMPO DE RECOMEÇAR..

Procure seu filho, sua filha, abrace com carinho
e mostre,  demonstre seu amor.
Procure seu esposo, sua esposa, dê um afetuoso abraço, um beijo,
perdoe, e quem sabe este gesto,
TIRE AS MEIAS VERMELHAS,
AINDA HOJE.

 Texto Adaptado de C.H.  Cony

 

TÍTULO:  Crianças Abandonadas -

Meias Vermelhas

TEMA: Deus nos adotou – espiritualmente – através de Seu Filho Cristo Jesus – Hoje temos o privilégio de “adotar” crianças, adolescentes e jovens que estão à nossa espera. A Espera do Amor de Deus.

TEXTOS:

“Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não faz comete pecado” ( A Palavra de Deus em Tiago 4.17).

 

“E respondendo o rei (Jesus), lhes dirá: Em verdade vos digo que, quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes (A Palavra de Deus em Mateus 25.40)

 

“Jesus, porém, chamou-as e disse: Deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais, porque o Reino de Deus é daqueles que se parecem com elas.” (A Palavra de Deus em Lucas 18:16)

 

“Na velhice ainda darão frutos; serão viçosos e vigorosos.” (A Palavra de Deus no Salmo 92.14).


Fonte: Nathaniel Brandão / Lar Batista Esperança Nº 305 de 30/03/2012 – “Crianças Abandonadas”  – Reg.596  www.lbe.org.br 


Links do Site